Alterações oculares comuns durante a infância | ISO Olhos – www.isoolhos.com.br
Alterações oculares comuns durante a infância
Blog ISO Olhos

Alterações oculares comuns durante a infância

Felizmente, boa parte dos problemas de visão que acometem recém-nascidos e crianças de até 2 anos são raros. Mas isso não significa que não merecem atenção especial – a maioria dessas doenças ameaça (e muito!) a saúde dos olhos. Os cuidados devem começar já na maternidade, quando se faz o Teste do Olhinho, um exame imprescindível para detectar enfermidades graves.

Quando o pequeno já estiver em casa, o acompanhamento deve ser feito por meio de consultas anuais com um oftalmologista.

A seguir, confira as doenças mais sérias e aquelas que são mais comuns nos primeiros anos de vida.

Miopia

 

A miopia ocorre quando a imagem não é corretamente focalizada na retina. Isso faz com que se tenha dificuldades para enxergar coisas de longe. A criança míope começa a evitar brincadeiras e atividades que exijam enxergar longe, já que ela consegue ver melhor de perto.

A origem, em muitos casos, é hereditária. No entanto, a fadiga ocular que resulta do esforço para manter o foco em um ponto específico, como a tela do computador, também pode ser responsável. Crianças que passam mais tempo em atividades externas apresentam menor incidência de miopia.

O tratamento em crianças pode ser realizado por meio da utilização de medicamentos (colírio com atropina, pode ser usado em casos bem específicos), óculos ou até mesmo lentes de contato.

Estrabismo

O estrabismo é a perda do paralelismo dos eixos visuais, isto é, quando um ou ambos os olhos estão desviados, pode ocorrer para dentro (esotropia) ou para fora (exotropia).

Até os seis meses de idade, o aparecimento de certo desalinhamento entre os olhos é normal, pois o bebê ainda não tem uma boa fixação das imagens na mácula (parte central da retina). A presença de boa visão é uma condição para que os olhos fiquem alinhados corretamente. Após essa idade, os pais devem estar atentos — quanto mais cedo o tratamento começa, maiores são as chances de cura.

Enquanto os olhos da criança ainda estão em desenvolvimento, o estrabismo pode ser tratado com o uso de um tampão, que ajuda a estimular a musculatura do olho mais fraco. Em crianças mais velhas, a correção é feita com a utilização de óculos, e cirurgias são recomendadas apenas em alguns casos.

Ambliopia

A ambliopia é o desenvolvimento irregular de um dos olhos, que pode não evoluir adequadamente e acabar por ter uma participação mínima na visão da criança. Por essa razão, a doença é popularmente conhecida como “olho preguiçoso”.

Entre as causas mais comuns da ambliopia estão o estrabismo e os erros de refração (miopia, hipermetropia ou astigmatismo).

Assim como o estrabismo, a ambliopia também deve ser tratada com oclusão, exercícios oculares orientados e uso de óculos. O tratamento deve continuar, mesmo depois de alcançados os resultados desejados.

Leucocoria

A leucocoria é uma doença de avaliação obrigatória no recém-nascido (no chamado “teste do olhinho”). Trata-se do surgimento de lesões posteriores à pupila, mas que se caracterizam como manchas brancas nessa parte do olho (leucocoria significa “pupila branca”).

Por impedir a correta passagem da luz, pode atrasar o desenvolvimento normal das vias ópticas ou mesmo conduzir ao seu atrofiamento.

As causas mais comuns em crianças são a catarata congênita e o retinoblastoma. No entanto, outras causas também existem. Por essa razão, o tratamento da leucocoria será feito de acordo com a doença causadora.

Retinoblastoma

O retinoblastoma é um tumor maligno que altera as células da retina. Trata-se do tumor ocular mais frequente em crianças e é uma das doenças oftalmológicas mais graves.

O teste do olhinho deve ser realizado com frequência em crianças pequenas, sobretudo em razão dessa doença.

Existe uma série de modalidades terapêuticas para o tratamento do retinoblastoma após diagnosticado. O tratamento, no entanto, será programado em conformidade com a extensão da doença — se está atingindo os dois olhos ou apenas um.

Essa são as doenças oftalmológicas mais comuns nos pequenos. A maioria dos sintomas citados acima é de fácil percepção para os adultos que convivem com a criança. Identificá-los o mais cedo possível e garantir que o portador tenha o tratamento adequado é fundamental para evitar grandes danos à visão.

Deixe seu Comentário

Leia também

Tremor nos olhos

Tremor nos olhos

O tremor nos olhos, como as pessoas co..

Dr. Mario Carvalho palestra em Congresso de Oftalmologia da USP

Dr. Mario Carvalho p ...

Oftalmologista do ISO Olhos é destaque ..

Dezembro laranja: cuidados com a região dos olhos

Dezembro laranja: cu ...

Dezembro laranja: Campanha Nacional de ..